O Hospital da...

O Hospital das Clínicas e o atendimento a convênios!

por -
17 128
Hospital das Clínicas e Convenios - Gestão em Saúde

Um dos símbolos da Saúde Pública do Brasil o Hospital das Clínicas da FMUSP, a fim de garantir a sustentabilidade do atendimento à população, luta para ampliar o atendimento de convênios de 3% para 12%. O projeto, defendido pelo novo Superintendente do Hospital das Clínicas da FMUSP, Dr.Marcos Fumio Koyama traz à tona a discussão das medidas necessárias para tornar sustentável o Sistema Único de Saúde, que até hoje não teve votada a EC-29, que garantiria mais recursos para a saúde pública brasileira.

HC vai ampliar atendimento a convênios

Símbolo mais vistoso da saúde universal, pública e gratuita no Brasil, o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP vai destinar 12% de seus atendimentos aos planos de saúde.

Com isso, o HC quadruplicará os serviços prestados a convênios (hoje, apenas 3% dos atendimentos são vendidos aos planos).

Boa parte dos médicos ouvidos pela Folha acredita que a ampliação do atendimento aos portadores de planos de saúde gerará diferenças de tratamento em relação aos pacientes do SUS.

A chamada “dupla porta” de acesso ao hospital acaba privilegiando os pacientes conveniados. Eles podem marcar consultas e realizar procedimentos eletivos com mais agilidade.

O projeto é defendido pelo superintendente do HC, o médico Marcos Fumio Koyama, 37. Mais jovem ocupante do cargo que já pertenceu a baluartes da medicina do país, como Enéas de Carvalho Aguiar e Vicente Amato Neto, Fumio acredita que a ampliação do atendimento aos planos de saúde possibilitará atender mais pacientes SUS “e melhor”.

O doutor Fumio é um tipo peculiar de médico. A residência, ele fez em administração hospitalar. O mestrado, na Fundação Getúlio Vargas. Calouro ainda na medicina da USP, ficava mais impressionado com o excesso de exames para diagnosticar um paciente, do que com a própria enfermidade.

Formado, foi para a AIG Seguros. Especializou-se em ampliar a lucratividade do banco no negócio da saúde. Voltou para a Faculdade de Medicina da USP em 2007.

“Não acho que podemos nos contentar em ser, na rede pública, um arremedo do que é feito de melhor na iniciativa privada”, diz.

ARITMÉTICA

Fumio diz que o dinheiro dos planos será usado para financiar melhorias no atendimento gratuito do HC, pago pelo SUS.

“Hoje, os planos pagam 3% dos atendimentos totais do HC. Mas o que eles pagam (R$ 100 milhões/ano) já responde por 10,6% das nossas receitas (R$ 940 milhões).”

Para o médico, cada “paciente com plano de saúde” gera recursos suficientes para o atendimento de três ou quatro “pacientes do SUS”.

Segundo as contas, pagando por 12% dos procedimentos do HC, os planos de saúde injetariam recursos que poderiam alcançar até 40% do orçamento atual do hospital.

O paradigma desse modelo é o Instituto do Coração do HC, em que 18% dos leitos já são destinados a pacientes particulares, gerando 50% da receita (os 50% restantes são do tesouro público).

“Costuma-se dizer que o paciente plano de saúde tirará leitos dos pacientes SUS. É o contrário. O paciente do plano de saúde permitirá ampliar e melhorar o atendimento ao paciente do SUS.”

Pesquisa feita neste ano no HC mostra que 11% dos atendimentos pelo SUS (gratuitos) foram prestados a pacientes que têm planos de saúde.

“Veja, 11% de pacientes de planos de saúde estão usando recursos do SUS -quando poderiam ser atendidos pelos planos. O que existe hoje é um Robin Hood ao contrário. Tira-se dos pobres para dar aos ricos. Por que não resolver isso em uma relação contratual normal?”, indaga.

A ampliação do atendimento aos planos será gradual. O objetivo, diz Fumio, é concluir o projeto até o fim de seu mandato (quatro anos).

Fonte: Folha de São Paulo, 05/05/2011

Quer receber notícias como essa no seu email?

Newsletter Empreender Saúde

Seja o primeiro a saber!

Assine nossa Newsletter

Junte-se a mais de 6.800 profissionais do setor, e mantenha-se atualizado.

Fernando Cembranelli
Médico formado pela Escola Paulista de Medicina em 2006, Residência em Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde pelo HC/FMUSP (2008-2010), Especialista em Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde pela FGV (2008-2010), cursando MBA em Duke, na Fuqua School of Business, com foco em Health Sector Management com conclusão prevista para Maio de 2014.Atuou na benCorp consultoria de benefícios como gerente médico (2010-2011), consultor em gestão da saúde no Grupo Médico Ana Rosa (2010-2011), avaliação de tecnologias em Diagnóstico por Imagem no Instituto de Radiologia do HCFMUSP(2011-2012).
  • Eleonora

    Achei a matéria muito interessante e a iniciativa do doutor Fumio muito boa! Será que vocês podem divulgar aqui no site os resultados que forem surgindo dessa iniciativa? Parabéns pela qualidade do conteúdo!

    Fiquem com Deus!

    Sucesso!

    • http://empreendersaude.wordpress.com empreendersaude

      Prezada Eleonora,

      Muito Obrigado pelos comentários! Será um prazer divulgar os avanços desta iniciativa!

      Atenciosamente,
      Fernando Cembranelli
      Equipe EmpreenderSaúde

  • Fernanda Greppe

    Esta matéria é mais uma prova da necessidade de termos profissionais bem preparados para a gestão, quando em cargos que exigem preparo e visão de negócios. Achei excelente as iniciativas que utilizam os recursos privados para melhorar e ampliar o atendimento público.

    • http://empreendersaude.wordpress.com empreendersaude

      Muito obrigado pelo comentário Fernanda!
      A profissionalização da gestão em saúde é um desafio tanto para organizações públicas, quanto privadas!
      Atenciosamente,
      Fernando Cembranelli
      Equipe EmpreenderSaúde

  • marcela oliveira

    Corretíssimo o entendimento do Dr Marcos e sua equipe, faço votos que DEUS abençoe e direcione a todos nessa iniciativa, para que cada vez mais se amplie para atender mais pessoas. Continuem firmes nessa posição. Acredito que terão o apoio de muita gente.

  • Juarez Lopes dos Santos

    Já que foi constatado que 11% dos usuáriuos do SUS são possuidores de planos particulares, porque não efetuar uma triagem quando do atendimento, de forma que possa ser cobrado dos planos o atendimento prestado. Creio que os titulares dos planos não se oporiam em declinar o nome do plano já que com ou sem atendimento, os mesmos têm que ser pagos.
    Poderiam também criar um atendimento que pudesse ser remunerado pelos usuários sem plano, mas que se dispusessem a remuinerar a conveniencia de um atendimento personalisado, baseado na tabela da AMB, que eu creio, deva ser a base de remuneração dos planos ao HC. Existem médicos que atendem pacientes particulares com preço não extorsivos e ganham mais que se recebecem dos planos. Vamos pensar a respeito???

  • Maria Silva

    Está pior que o sus qdo se tinha q marcar consulta por telefone q tristeza q desreito

  • Vera

    Alguém me explica :Médico reclama q a tabela dos planos pagam pouco.ok.(acredito)E pq qd particular,querem cobrar uma exorbitancia???$500,00 a $900,00. PQ ??????

  • Raquel

    Adorei a Materia, porque no ano de 2011 precisei do meu convenio e não obitve nenhum retorno, e só encontrei solução no Hospital das Clinicas,por este motivo acredito em voces e faço votos que DEUS abençoe e direcione a todos nessa iniciativa.

  • http://www.bing.com/ Jeannie

    Wow! Great to find a post kocninkg my socks off!

  • Nelia Katia Ferreira

    Achei ótimo, seria a solução para muitos, Deus ilumine vocês e suas mentes para o bem de um povo mas necessitado de um convenio de coração. Deus abençõe

  • Antonio Carlos Canossa

    Acho inaceitável um hospital de clínicas, gerido com o dinheiro público, como o HC, atenda convênios de forma diferenciada clientes que pagam convênios de custo elevado, enquanto o cliente que não tem dinheiro para pagar um plano de saúde de alto padrão sofra discriminação não tendo direito ao atendimento que não seja via pronto socorro.
    Já utilizei o HC para tratamento quando eu pagava um plano de elevado padrão…porém quando mudei para outro plano que coubesse no meu orçamento; o HC “fechou” as portas da frente pra mim.

  • dalva

    Nao conheco Dr. FUMIO, mas a ideia de atender aos Convenios e

    maravilhosa, creio nos medicos desta geracao com ideias novas

    beneficiando a todos.

    Dr. FUMIO e gente que faz SAO PAULO ANDAR PARABENS

  • FÁBIO LEITE

    O SITE DO HC DE S. PAULO DIZ QUE ATUALMENTE O HOSPITAL NÃO ATENDE PACIENTES DO SUS!!!!???? ERA ESSA A GRANDE SACADA DA DIRETORIA DO HC?? ESTOU PASMO!!!

    DO SITE DO HC: “Adianta-se que – atualmente – o Hospital não atende pacientes conveniados com o Sistema Único de Saúde (SUS).”

    Base de Alckmin aprova projeto que privatiza atendimento no HC SP
    Como autarquia especial, há risco de a unidade estabelecer “porta dupla”, com mais privilégios a pacientes particulares e de convênios médicos

    Por SINDSAÚDE-SP
    Quinta-feira, 17 de novembro de 2011

  • Roberto

    A propia CONSTITUIÇÃO FEDERAL SALVO ERRO NO SEU ART. 199 DIZ QUE NÃO SE DEVE EM OUTRAS PALAVRAS TIRAR RECURSO DA SAUDE PUBLICA DESTINANDO-AS PARA O PRIVADO, SINTO MUITO ACHO ISSO UMA VERGONHA,POIS PARA MELHORAR, BASTA QUE A UNIAÕ DESTINE SÓ 8,0% DO PIB O QUE FOI NEGADO . SEM DESCULPAS SEM CHURUMELAS , DESAFIO QUALQUER UM ME PROVAR O CONTRARIO ! EIS O MEU EMAL- COSTA19652011@LIVE.COM

  • Maria Neide Nascimento de Araujo

    Gostaria que fosse analisado a possíbilidade de atendimento de um convênio ( valor AMB) para todos os funcionários da USP. Já estive nesse serviço, confio muito , mas o desconto é muito pequeno. Funcionário público não tem convênio e as pessoas que já possuem convênios empresa ou famíliares usufruem do HC sem onus.
    Gostaria de saber o parecer do Dr. Fumio, a respeito.
    Antecipadamente agradeço

  • Felicio T. Yamazaki

    SOLICITAÇÃO DE INTERCESSÃO

    Desde o ano de 2008, solicito uma CÓPIA da PROVA PRÁTICO-ORAL do
    Hospital das Clínicas de São Paulo, de um concurso destinado ao cargo de auxiliar administrativo.

    Fiz este pedido (e CONTINUO INSISTINDO) COM BASE LEGAL NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL
    conforme cito abaixo:

    TÍTULO II
    Dos Direitos e Garantias Fundamentais
    CAPÍTULO I
    DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS
    Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza,
    garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade
    do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

    XIV – é assegurado a todos o ACESSO À INFORMAÇÃO e resguardado o sigilo da fonte,
    quando necessário ao exercício profissional;

    XXXIII – todos têm direito a receber dos órgãos públicos INFORMAÇÕES DE SEU INTERESSE PARTICULAR,
    ou de interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de
    responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da
    sociedade e do Estado;

    XXXIV – são a todos assegurados, independentemente do pagamento de taxas: ….
    b) a obtenção de certidões em repartições públicas, para defesa de direitos e
    ESCLARECIMENTO DE SITUAÇÕES DE INTERESSE PESSOAL;

    Descrevo abaixo, a entrevista feita, de forma aproximada:

    Pergunta-Por que você acha que merece trabalhar no HC?
    Resposta-Bem, porque daria o máximo de mim pois me sentiria realizado servindo
    um público necessitado de cuidados médicos, do que meramente dar lucros a bancos,
    como nos meus empregos anteriores. E trabalho bem no atendimento ao público.

    P-(a outra entrevistadora, um tanto irritada)- Mas você poderá não trabalhar
    necessariamente com o público !!
    R-Estou ciente, mas o fato de estar a serviço de uma instituição de caráter
    humanitário como o HC me dá motivação em dar o melhor de mim para todos.

    P-Você é casado?
    R-Não.

    P-Tem filhos ?
    R-Também não.

    P-Qual a sua idade ?
    R- 48 anos.

    (Nesse instante, uma entrevistadora olha para a outra, e uma delas esboça um
    ligeiro sorriso e diz:)

    -Bem, a entrevista acabou.. Aguarde o resultado para daqui a 15 dias.

    A solicitação da cópia da prova é motivada pela incrível nota 20, que, somada à nota da prova escrita (76),
    resultou na média 48, portanto, REPROVADO. Suspeitando de alguma irregularidade (como discriminação),
    e para meu aprimoramento pessoal, pedi uma cópia da prova para esclarecimentos, visando verificar
    atentamente as anotações feitas pelas minhas examinadoras, para resultar na nota final 20.
    Porém, mesmo pedindo por INÚMERAS VEZES, (JÁ SÃO QUASE 5 ANOS!!) negam tacitamente o fornecimento
    deste documento.

    Tal ATITUDE do Senhor Superintendente (Dr. Marcos Fumio Koyama), assessorado pela procuradora do
    HC (Dra. Maria Mathilde Marchi) na minha opinião, envergonha a HONRADA e PRESTIGIADA instituição do
    Hospital das Clínicas, ao AFRONTAR A CONSTITUIÇÃO FEDERAL.

    Mas como sou a parte “fraca” das partes, fica muito difícil “lutar” contra a grande estrutura jurídica e
    organizacional desta, repito, HONRADA e PRESTIGIADA instituição. Pois a minha pendência é com a
    ATITUDE de alguns de seus administradores, e NÃO contra a instituição hospitalar.

    Finalizando, peço a especial gentileza da sua intercessão, APENAS ENCAMINHANDO esta mensagem
    para endereço de e-mail abaixo:

    superintendencia.pa@hc.fm.usp.br

    Desde já muito agradecido,

    Felicio T. Yamazaki